sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Resenha #04 — A Culpa é das Estrelas (John Green)

A Culpa é das Estrelas
Título original: The Fault in Our Stars
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 283


"Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas."


"Um misto de melancolia, doçura, filosofia e diversão. Green nos mostra um amor verdadeiro... muito mais romântico que qualquer pôr do sol à beira da praia." (The New York Times)

Tive uma certa resistência em pegar esse livro para ler. Num primeiro momento, um romance fictício que trás jovens com câncer como personagens principais me pareceu uma forma apelativa para vender. Mas como uma boa leitora não pode ter preconceito e só tem o direito de criticar uma obra depois de tê-la lido (ou tentado), resolvi encarar.

Li o livro em três dias. Tecnicamente falando, é uma leitura leve e gostosa. Quanto ao conteúdo, achei mais bem humorado do que esperava. Hazel é inteligente e realista, mas mesmo com seu realismo ela não passa aquela imagem de vítima derrotada. Gus é otimista e encantador, quase um poeta. A história não é um drama apelativo como eu acreditava que fosse, embora, claro, existam passagens um pouco pesadas. Mas devemos reconhecer que essas passagens fazem parte do tema. Quando comentei com a minha mãe sobre o assunto do livro e o pensamento de algumas pessoas sobre parecer uma leitura sádica, ela me respondeu sabiamente: mas não é com a gente ignorando que isso (o câncer) vai deixar de existir, infelizmente! Então a obra nada mais faz do que nos mostrar um pouco sobre a realidade das pessoas que precisam sobreviver com esse "efeito colateral", como é chamado no livro. O amor entre Hazel e Gus também é expressado de uma forma leve e inocente; um sentimento lindo que nasceu naturalmente em meio a uma realidade tão cruel.

Não foi o melhor livro que já li na vida como muitas pessoas estão dizendo por aí, nem chorei horrores como dizem também; apenas fiquei com os olhos cheios de lágrimas em alguns momentos e com uma angústia tremenda. Mas de fato é uma história linda que nos traz mais do que apenas diversão: traz uma lição de vida. Foi um belo presente eu ter aberto mão do preceito inicial e topado o desafio de conhecê-la. 

A Culpa é das Estrelas é um livro capaz de amolecer o coração do mais rude homem das cavernas.

2 comentários:

  1. Eu assisti primeiro o filme e depois li o livro. Devia ter mudado um pouco a ordem, ler primeiro e depois assistir, mas tudo bem rs. Marcelinha, acho que fiquei com angústia e como todo pisciano quando esta sensível, chora. Gostei da leitura, é tranquila, doce e agradável. valeu a pena ter lido a história de Hazel Grace.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Zé! Que legal você por aqui :D

      Eu, na verdade, me emocionei mais com o filme do que com o livro, apesar do livro ser mais interessante mesmo quando se trata do conteúdo (até porque o filme tem o limite de tempo e tudo mais). O livro, quando terminou, eu fiquei muito reflexiva... já do cinema, eu saí arrasada rs
      Mas concordo, é uma leitura doce e agradável apesar do tema pesado. Super vale a pena ler!

      Excluir