segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Resenha #12 — Quero Ser Beth Levitt (Samanta Holtz)

Quero Ser Beth Levitt
Autor: Samanta Holtz
Literatura Brasileira
Editora: Novo Século
Páginas: 544

"Amelie Wood perdeu os pais aos doze anos e, desde então, vive em um abrigo de meninas. Com a chegada do seu décimo oitavo aniversário, ela vive agora o temido e esperado momento de deixar o lugar que a acolheu por toda sua adolescência para enfrentar o mundo em busca dos seus sonhos.

Seu bem mais precioso é o velho exemplar do romance que sua mãe lia para ela, na infância. 'Doce Acaso' contava a história de Beth Levitt, uma jovem que, como ela, amava o balé e tinha a vida transformada ao conhecer o príncipe Edward. Amie suspira ao reler incansavelmente aquelas páginas, imaginando quando o príncipe da vida real baterá em sua porta... Por isso, ao soprar as velas, não tem dúvida quanto ao seu pedido: 'Quero ser Beth Levitt'.

Através de grandes coincidências e uma trajetória que ela jamais imaginaria, Amie se vê, de repente, no fascinante mundo do cinema, cara a cara com o príncipe mais lindo que sonharia encontrar e lutando para se esquivar da maldade de muita gente invejosa, contando, para isso, com sua melhor arma: um coração puro."

Um conto de fadas moderno.
Encantador, doce e extremamente capaz de fazer renascer aquela menina sonhadora dentro de nós.

No início da leitura, quando vi como as coisas começaram a encaminhar para que Amie realizasse um grande sonho, me senti um tanto revoltada e cética. Se tem algo que a vida faz questão de esfregar na nossa cara quando começamos a crescer é que contos de fadas não existem!, como as coisas poderiam começar a dar tão certo assim de uma hora para outra? Mas não demorou muito para eu me pegar totalmente envolvida com a história, realizando uma leitura frenética e torcendo por Amie como quem torce pelas próprias realizações — e, claro, percebendo que mesmo para ela, as coisas não estavam tão fáceis como pareciam.

Foi aí que percebi uma das reflexões levantadas pelo romance: por que acabamos deixando que o mundo endureça nosso coração? Por que me sinto mais confortável lendo livros de terror, suspense policial ou os novos romances dramáticos onde o casal principal nem acaba junto? 

Com esses questionamentos pude me reconhecer em Amie. Apesar de todos os conselhos que ouço e de todas as evidências que o mundo me dá sobre "não valer a pena", eu sempre carrego aquela menina romântica e sonhadora dentro de mim. Ela se machuca por vezes e mais vezes, buscando com todas as forças manter uma armadura aparentemente impenetrável. Mas, no fundo, acredita que um dia sua vitória chegará e poderá, finalmente, ser a protagonista de sua própria história.
Amie me ensinou que vale a pena acreditar e apostar nisso.

Samanta Holtz tem uma escrita incrivelmente envolvente. É uma escrita doce e romântica, lembrando bastante os contos de fadas clássicos, mas sem perder a informalidade atual — o que ajuda em sua fluidez. Li 544 páginas em poucos dias, mesmo em meio à rotina corrida. E se a história tivesse mais 300, continuaria a leitura com o maior prazer!

Esse livro entrou para minha lista de favoritos e, em especial, para a minha lista de opções para presentear alguém querido. Acredito que dar esse romance de presente seria bem mais do que uma lembrancinha qualquer; seria um elogio ao coração e à sensibilidade daquela pessoa.

Um comentário:

  1. Olá, Marcela!

    Que grande alegria acessar hoje o Skoob e encontrar uma resenha tão linda a respeito do meu livro :)
    Fico muito feliz em saber que Amelie não somente conquistou sua afeição como permitiu que você encontrasse um pouco de si mesma nela, na busca pelos sonhos e nas lições que ela sutilmente transmitiu, como dizer que, por mais que o mundo tente nos convencer do contrário, vale a pena, sim, lutarmos por nossos sonhos e mantermos nosso coração e alma puros! Afinal, sonhar é o que move a vida, o que nos faz partir em busca do que almejamos...

    Fico feliz com suas palavras e espero que todas as pessoas queridas a quem você decidir presentear com Beth Levitt sintam o mesmo carinho e afeto pela história!

    Beijos carinhosos,
    Samanta Holtz

    www.samantaholtz.com

    ResponderExcluir