domingo, 4 de maio de 2014

Resenha #17 — O Chamado do Anjo (Guillaume Musso)

O Chamado do Anjo
Título original: L'appel de L'ange
Autor: Guillaume Musso
Editora: Verus
Páginas: 334

"Nova York, aeroporto JFK. Na sala de embarque lotada, um homem e uma mulher se esbarram, espalhando suas coisas pelo chão. Após uma discussão banal, cada um segue seu caminho.

Madeline e Jonathan nunca haviam se visto e jamais deveriam voltar a se encontrar. Porém, ao recolherem seus pertences, trocaram por descuido os celulares. Quando percebem o engano, já estão a dez mil quilômetros um do outro — ela é florista em Paris, ele tem um restaurante em San Francisco.

Não demora muito para ambos cederem à curiosidade, explorando o conteúdo dos respectivos aparelhos. Uma dupla indiscrição, que leva a uma revelação inesperada: suas vidas estão ligadas por um segredo que eles julgavam enterrado para sempre...

O Chamado do Anjo é uma trama magistralmente construída, que passeia entre o romance e o suspense, com um final de tirar o fôlego."

Bastou que eu lesse essa sinopse uma vez e já fiquei extremamente curiosa e ansiosa pela leitura desse livro. Você trocar de celular por acaso com um desconhecido qualquer que mora em outro continente e, através do aparelho descobrir que existe algum tipo de ligação entre vocês, é uma situação singular e instigante. Minha expectativa estava tão alta a respeito desse livro que, quando finalmente consegui adquirir meu exemplar, já sentia até medo me decepcionar.

Mas não me decepcionei.

Ele começa de maneira leve e dinâmica, parecendo até uma comédia romântica. Madeline é uma florista fina e elegante que acabou de ser pedida em casamento pelo namorado, também fino e elegante. Jonathan é um cheff divorciado que, por sua situação atual, por vezes soa mal humorado e sarcástico, exceto quando está conversando com seu filho de sete anos, Charly. O incidente em uma lanchonete lotada do aeroporto faz com que os dois troquem seus celulares. Após descobrirem o ocorrido, começam a trocar mensagens em busca da solução — que seria o correio, caso não estivesse em período de greve na França.

Quando ambos começam a fuçar no celular do outro e coisas curiosas e estranhas surgem (fotos, mensagens), os dois passam a se provocar, perguntando do que se trata tal coisa ou o que tal coisa quer dizer. O clima de comédia romântica acaba se perdendo, dando lugar para o suspense. Para começar, Madeline não foi sempre florista. Sua profissão anterior, responsável por um dos principais mistérios da obra, fez com que a moça me conquistasse de vez, já que minha primeira impressão sobre ela não foi das melhores — não gosto de madames frescas. O casamento fracassado de Jonathan e seu passado profissional também escondem segredos, e tudo isso vai se desenrolando aos poucos, assim como a ligação que existe entre eles aparece.

A leitura foi rápida, tanto pela linguagem fácil quanto pela dinâmica da história, que mantém aquela curiosidade dentro da gente que sempre nos obriga a ler "só mais alguns capítulos". Personagens cativantes, situações onde nada é o que parece ser. Só senti falta de algumas explicaçõezinhas. Não que o autor deixe algum mistério em aberto; ele dá respostas para todos. Mas, a meu ver, o livro acabou meio de supetão, então fiquei na curiosidade de saber o que aconteceu com alguns personagens "não principais", que simplesmente somem quando seus papéis na história de Madeline e Jonathan foram cumpridos. Por outro lado, para aqueles que não gostam de uma leitura enrolada que foca em situações secundárias, isso acaba sendo um ponto positivo.

Infelizmente, como os mistérios vão surgindo aos poucos e novos mistérios surgem com as respostas dos anteriores, não posso me estender demais nos comentários específicos sem dar spoiler. Falar sobre a existência de uma profissão anterior de Madeline foi o máximo que me permitir soltar. Sendo assim, concluo a resenha declarando que O Chamado do Anjo foi mais um dos meus ótimos tiros literários no escuro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário