domingo, 9 de agosto de 2015

#TAG — Um Livro Que (...)

Inspirada pelas TAGs que blogueiros e vlogueiros andam respondendo por aí, decidi montar minha própria lista de questões literárias. A proposta é selecionar um título que se encaixe em cada situação apontada. Justificar é opcional, mas como amo justificativas, farei alguns comentários a respeito de cada escolha. Vamos lá!


  • Um livro que me fez rir: 
O Diário de Bridget Jones (Helen Fielding)
Uma das coisas que mais me diverte é transformar as tragédias da vida amorosa em comédia. E esse é um clássico!

  • Um livro que me fez chorar: 
O Diário de Suzana para Nicolas (James Patterson)
Li o livro em uma noite; passei o dia seguinte desidratada, com os olhos inchados e o emocional destruído. E não choro fácil com livros.

  • Um livro que me fez refletir:
Depois de Auschwitz (Eva Schloss)
Autobiografia de uma judia sobrevivente do holocausto. Um dos livros mais fortes que já li!

  • Um livro que me deixou com medo:
O Cemitério (Stephen King)
Sou daquelas que consegue dormir assistindo filme de terror sozinha numa boa, então é difícil que algo realmente me desperte medo. Mas esse livro, unindo a situação desesperadora (terror psicológico total) com a narrativa envolvente do King, me deixou apreensiva para fazer o xixizinho da madrugada durante a leitura, sim.

  • Um livro que “todo mundo” gosta, mas eu não gostei:
A Cabana (William P. Young)
As pessoas costumam falar desse livro como se a simples leitura fosse uma experiência divina. Eu achei confuso e, talvez por não ser religiosa, piegas demais. Muito auto ajuda disfarçado de romance.

  • Um livro que “ninguém” gosta, mas eu gostei:
O Apanhador de Sonhos (Stephen King)
Sou fã assumida do King e faço parte de vários grupos sobre ele no facebook. Escolhi esse livro para essa situação porque é um que a maioria dos fãs dele que se manifestam nesses grupos costumam criticar (livro e filme), mas eu gostei muito de ambos — o que foi surpreendente, considerando que não costumo me interessar por histórias de extraterrestres.

  • O livro mais difícil que eu já li INTEIRO: 
Iracema (José de Alencar)
Não sei se a linguagem do livro é realmente chata e rebuscada como me pareceu quando eu tinha 16 anos e precisei ler para apresentar um seminário na escola. Se eu o pegasse hoje, após as tantas outras experiências de leitura que tive desde então, talvez parecesse mais simples, mas, considerando o contexto de quando realizei a leitura, foi o livro que mais tive dificuldade para entender e conseguir terminar.

  • Um livro que eu quero ler de novo:
A Mão Esquerda de Deus (Paul Hoffman)
É uma trilogia. Macabra, fantástica, densa, tensa, sangrenta... Bem densa, aliás. Os livros nem são muito grossos e precisei pausar os três no meio e ler outras coisas mais leves para um respiro antes de retomar, mas a história é tão intensa, com batalhas tão bem detalhadas e teorias tão malucas, que necessito ler outra vez para reviver aquelas emoções e ver se formulo uma nova opinião a respeito ou apenas reafirmo meu fascínio.

  • Um livro que eu gostei, mas não leria de novo:
O Demonologista (Andrew Pyper)
Eu esperava uma história macabra semelhante ao filme O Ritual, mas o livro pende mais para algo tipo A Cabana ao contrário: em vez do cara perder a filha numa tragédia e conversar com Deus a respeito (como acontece em A Cabana), o cara perde a filha para um demônio e precisa conversar com o próprio, sendo usado como um tipo de ferramenta por ele, para conseguir salvar a menina. Achei o livro uma depressão, e não uma história de terror.

  • Um livro que eu ainda não li, mas quero muito ler:
Drácula (Bram Stroker)
Não é apenas um clássico, é um clássico do horror! 

  • Um livro que eu acho que deveria ler, mas não tenho vontade:
O Velho e o Mar (Ernest Hemingway)
Vejo referências desse livro e desse escritor em muitos lugares e até tenho ele na estante (recebi na escola), mas ainda não me animei com essa leitura.

  • Um livro que eu abandonei, mas pretendo terminar um dia:
Precisamos Falar sobre Kevin (Lionel Shriver)
As divagações da mãe do Kevin me deixaram meio entediada e troquei o livro por algo mais ativo, mas já me disseram que depois ele melhora, que é um livro excelente, que não posso deixar de ler etc., e realmente tenho curiosidade sobre ele. Vou aguardar até que eu esteja no clima certo e começo de novo. 

  • Um livro que eu abandonei e jamais daria outra chance:
Cinquenta Tons de Cinza (E. L. James)
Peguei em PDF para matar a curiosidade (sim, porque não sou daquelas que se deixa levar pela crítica alheia, tanto que comprei A Culpa é das Estrelas quando todo mundo já estava reclamando da modinha em cima do livro e digo sem problemas que gostei dele), mas não consegui chegar nem na primeira cena de sacanagem, de tão ruim que achei a narrativa. Aconteceu a mesma coisa com o filme: tentei assistir e não consegui chegar aos quinze minutos.

  • Um livro que eu já dei de presente:
Alice (Lewis Carroll)
Um clássico encantador de pedagoga para pedagoga.

  • Um livro que eu ganhei de presente:
Um Mundo à Parte (Jodi Picoult)
Minha mãe havia comprado de presente para uma amiga, mas como eu não tinha esse livro e ela conhece a própria filha muito bem, resolveu dá-lo de presente para a minha pessoa e comprar outro (que eu já tivesse) para a amiga. Minha mãe é uma linda!

  • Um livro que comprei com empolgação, mas depois deu preguiça de ler:
Laranja Mecânica (Anthony Burgess)
A preguiça apareceu quando eu vi aquela lista com os significados das palavras estranhas que fazem parte do livro.

  • O último livro que comprei:
Jurassic Park (Michael Crichton)
Joyland (Stephen King)
A Menina Submersa (Caitlín R. Kiernan)

Caixa de entrega da Submarino é puro amor!

  • O último livro que li:
O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares (Ransom Riggs)
Última resenha que postei.

  • O livro que estou lendo no momento:
Jane Eyre (Charlotte Brontë)
E ficando apaixonada pelas irmãs Brontë!

  • Um livro que todo mundo deveria ler:
Extraordinário (R. J. Palacio)
Todo mundo. Todo mundo! TODO MUNDO!!! É um livro lindo, sensível, recomendável para qualquer idade, gênero, classe social, etnia, religião... 

  • Um livro que eu me orgulho de ter na estante:
Contos de Imaginação e Mistério (Edgar Allan Poe)
Um autor mito. Uma edição maravilhosa. Um livro Sonho de Consumo!

  • Um livro que eu gosto, mas tenho vergonha de admitir:
Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor? (Allan e Barbara Pease)
Nem sempre esses livros de auto ajuda servem para nos dar lições; eles também podem ser bem divertidos, e os livros desses autores sobre relacionamento são quase uma apresentação de stand up. Sim, tenho outros além desse e me diverti com todos.

  • Um livro que li por obrigação e acabei adorando: 
Dom Casmurro (Machado de Assis)
Se sofri lendo Iracema, com Dom Casmurro até esqueci que estava lendo por obrigação e fiz questão de ler até a última página, mesmo sabendo que eu não seria muito prejudicada na nota por não ter tido "tempo" de terminar o livro, deixando algumas informações sobre ele de lado. Por fim, apresentei o seminário sozinha (meus colegas de grupo não leram) e tirei 10.

  • Um livro que não foi tudo aquilo que eu esperava:
O Retrato de Dorian Gray (Oscar Wilde)
As passagens de reflexões e filosofias do livro são maravilhosas, mas, como sou uma pessoa que se encanta mais por acontecimentos do que por pensamentos, devo dizer que esperava mais intensidade na história no que realmente encontrei. O filme com o Ben Barnes alcançou melhor as expectativas que eu havia criado por conta da polêmica em torno desse livro, me julguem.

  • Um livro pelo qual eu não dava nada e me surpreendeu:
Eleanor & Park (Rainbow Rowell)
Achei que seria uma historinha morna igual as do John Green, mas adorei! O livro toca em pontos complicados da vida de adolescentes de uma forma tão sensível... O embaraço, o encanto e a frustração com o primeiro amor; conflitos com a família; bullying na escola... Fiquei encantada!

  • Um livro que eu apontaria como o favorito (ou um dos):
O Morro dos Ventos Uivantes (Emily Brontë)
Um romance perturbador. Uma avalanche de desgraças que se deu por causa de orgulho. Um amor que não pôde ser vivido e se transformou em maldição. Livro responsável pela maior ressaca literária da minha vida!


É isso. E agora, caso alguém venha parar aqui e se interesse em responder a TAG também, gostaria de receber os resultados aqui nos comentários - link da postagem, do vídeo, ou até mesmo a própria lista. Valeu!

3 comentários:

  1. Oi Má! Amei sua TAG, mas fiquei com uma dúvida literária: quando você falou do livro que te deixou com medo falou em livro de terror, já quando falou do Drácula disse livro de horror... qual a diferença entre terror e horror?

    Beijinhos...
    Danny

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Danny!

      Olha, confesso que não costumo fazer muita distinção na hora de me referir a uma obra do tipo, posso falar terror e horror sobre o mesmo livro ou filme em momentos diferentes... Mas, pesquisando aqui agora, descobri que terror é algo que nos provoca medo pela manipulação psicológica, por mais simples que possa parecer (uma narrativa bem feita sobre uma aranha escondida dentro do seu quarto já é capaz de se tornar terror). Já o horror, é necessariamente ligado ao sobrenatural, como é o caso do Drácula (um vampiro). Ou seja: terror pode ser qualquer história que te faça sentir medo, já o horror precisa conter elementos sobrenaturais.

      Mas, como eu disse, nunca prestei muita atenção nisso na hora de falar a respeito. Vou começar a distinguir melhor agora.

      Saudades de você! :)
      Beijos

      Excluir
    2. Hmmmmmmm.... belíssima explicação! E faz muito sentido também.
      Danielli provocando interesse na descrição literária de Marcela, quem diria hein?! hahahahaha
      Saudade de você também! =)
      Beijinhos

      Excluir