segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Contos #18 — Foi Legal Enquanto Durou

















Ele estava encostado na parede, matando o tempo do seu horário de almoço.
Ela estava do outro lado da rua, em pé na calçada, esperando o ônibus.

Ele sorriu para ela.
Ela desviou o olhar, tentando disfarçar.
O desvio só durou dois segundos.
E ela sorriu de volta.

Ele abaixou levemente a cabeça e o tronco, reverenciando-a de maneira teatral.
Ela olhou em volta, checando se alguém naquele ponto estava prestando atenção nos dois.
Não estava.
Ela dobrou levemente o joelhos e, com a mão esquerda, levantou discretamente a barra de um vestido imaginário, correspondendo o cumprimento.

Ele precisava saber o nome dela.
Deu um passo para atravessar a rua.
E então, o ônibus chegou, escondendo-a por completo.

Ele encostou na parede novamente, sentindo seu sorriso se desfazer num suspiro.
"Foi legal enquanto durou".
Olhou para as janelas esperando uma mãozinha se despedindo.
Mas o ônibus estava muito cheio e já começara a sair.
Duvidou que a veria outra vez.
Lembrou que já era hora de voltar ao trabalho.
Atravessou a porta que estava ao seu lado.

Entrou antes do ônibus ter ido embora de fato.
Antes de conseguir ver que ela ainda estava em pé na calçada.
E sem saber que, por não encontrá-lo mais ali e por não fazer a mínima ideia de para onde ele tinha ido, o sorriso dela também se desfez num suspiro.
"Foi legal enquanto durou".

Ela partiu no ônibus seguinte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário